• Moto Premium

A história da Honda - vencer nas pistas para ganhar no mercado

Atualizado: 31 de Jul de 2020


A Honda conta sua história em 4 capítulos. Aqui, no primeiro, o esforço da marca nas pistas de corrida e o retorno disso na engenharia e no marketing


Fã do esporte a motor, Soichiro Honda, fundador da Honda, foi piloto de competição na juventude. Sempre teve a certeza de que corridas não serviam apenas para ganhar troféus e fama, mas sim angariar conhecimento por meio do uso extremo, de extrapolar limites e ir além das necessidades do usuário comum.

Com esse posicionamento, a Honda Motor Company, fundada em 1948, rapidamente colocou-se acima da concorrência de sua época, desenvolvendo motocicletas avançadas e atingindo em curto prazo a produção de 1.000 unidades por mês. A impressionante escalada da empresa em seus primeiros anos resultou na exportação para vários países, o que tornou a tecnologia da Honda conhecida e admirada mundo afora.

Pouco mais de uma década bastou para a Honda alcançar a capacidade de produção anual de mais de um milhão de unidades. No início dos anos 1960, a empresa já era a maior fabricante mundial de motocicletas, o que certamente se deveu à participação em competições.



A estreia internacional, em São Paulo

A primeira corrida de uma motocicleta Honda fora do Japão foi no Brasil: o Grande Prêmio 4º Centenário, disputado em 1954 na cidade de São Paulo. A experiência, embora frustrante do ponto de vista do resultado, estimulou a empresa de pouco mais de cinco anos de existência a aprimorar tecnologias. O resultado desse empenho surgiu logo em 1959, ao estrear no Campeonato Mundial de Velocidade, na etapa inicial da temporada, o célebre Tourist Trophy na Ilha de Man, na Grã-Bretanha.

A categoria escolhida foi a 125cc. As Honda RC141 e RC142, ambas dotadas de motores bicilíndricos, tinham como diferença técnica principal o cabeçote de duas válvulas por cilindro na RC141 e de quatro válvulas por cilindro na RC142. À época, o Mundial era dominado por marcas europeias, e ninguém percebeu que aquela delegação japonesa representava a ponta de um poderoso iceberg, destinado a subverter a ordem vigente.

Com as pioneiras RC141/142 a Honda estudou o ambiente e mediu forças. O sexto lugar entre os 18 competidores que cruzaram a linha de chegada foi um bom começo. No ano seguinte, 1960, veio a primeira temporada completa no Mundial, e os primeiros pódios.

Em 1961, surgiram muitas vitórias e a conquista dos títulos mundiais nas categorias 125 e 250cc. Ao final da temporada de 1967, a Honda decidiu suspender provisoriamente sua participação no Mundial de Motovelocidade, tendo vencido 138 Grande Prêmios e 34 títulos mundiais entre Pilotos e Construtores, em quatro categorias distintas: 50, 125, 250, 350 e 500cc. O mundo da moto conhecera, neste período, uma tecnologia superior, feita de motores multicilíndricos, cuja qualidade se refletia na produção.

As RC 141 e RC149 (125cc); RC160 e RC166 (250cc);, RC170 e RC173 (350cc); e RC181 (500cc) serviram como embriões do motor que assombraria o mercado mundial à partir de 1968, equipando a lendária Honda CB 750 Four, motocicleta que condensava o conhecimento adquirido desafiando – e vencendo – as marcas mais tradicionais da indústria motociclística daquele tempo.


Honda CB 750 Four, a primeira Superbike

No Salão de Tóquio de 1968, a Honda apresentou a CB 750 Four, a primeira moto de produção em massa equipada com um motor de quatro cilindros em linha e dotada de características técnicas muito especiais, como o virabrequim de peça única, o sistema de lubrificação por cárter seco e o freio a disco dianteiro. Seu motor SOHC de 8 válvulas de exatos 733 cc, com potência máxima de 68 cv a 8.500 rpm, levava a CB 750 Four a superar a velocidade máxima de 200 km/h.

Com a CB 750 a Honda impressionou não apenas pela sofisticação técnica e performance, mas também pela qualidade construtiva e nível de confiabilidade superior.

A partir da CB 750 Four, o motor de quatro cilindros em linha se tornaria uma espécie de marca registrada da Honda. Diferentes motocicletas da marca apresentadas ao longo da década de 1970 usaram esta arquitetura: CB 500, CB 550, CB 350 e CB 400 orgulhosamente adotavam o prestigioso sufixo "Four", culminando com a CB 900F de 1979, que com seu motor de quatro cilindros DOHC de 901cc atingia 95 cv de potência máxima, uma jóia mecânica desta estirpe de motores refrigerada a ar.

A configuração "quatro cilindros em linha" integra a produção Honda desde sempre. Há mais de cinquenta anos, modelos de 350 a 1.300cc são oferecidos aos clientes da marca, sempre começando com as iniciais "CB". Da pioneira CB 750 Four de 1968 à recente Honda CBR 1000RR R SP Fireblade, o salto de potência foi impressionante: de 68 cv para 214 cv de potência máxima.


O sucesso do motor de quatro cilindros em linha não impediu a Honda de desenvolver arquiteturas de motor diversificadas ao longo de sua história. Em 1974 surgiu a Honda Gold Wing GL 1000, com motor de quatro cilindros contrapostos. Três anos depois, em 1977, veio a CBX 1000, cujo motor de seis cilindros em linha foi inspirado diretamente no motor das RC166 de 250cc e RC174 de 350cc, com as quais Mike Hailwood e Jim Redman conquistaram 6 títulos mundiais nos anos 1960.


Uma gama variada de motores

Os modelos vitoriosos nos GPs dos anos 1960 contrubuíram com conhecimento que foi aplicado em uma ampla e diversificada gama de produtos, em diferentes plataformas e especificações: motores de um, dois, três, quatro, cinco ou seis cilindros, com arquitetura em linha, de cilindros contrapostos e em V, tanto longitudinais como transversais. Nenhum outro fabricante desenvolveu uma variedade de motores tão grande.

A Honda foi a primeira marca a lançar uma motocicleta turbo, a CX 500 Turbo, com motor V2 a 80º SOHC transversal. Apresentada em 1981, a CX 500 alcançou a potência máxima de 60 cv a 8.000 rpm, rivalizando na aceleração com muitas motos de 1.000 cc daquela época. Em 1983, a Honda renovou o modelo através de um motor aperfeiçoado e maior, a CX 650 Turbo, que atingia 64 cv.

Outro avanço tecnológico veio em 1982, quando a Honda lançou sua primeira moto de série com motor V4, uma arquitetura que se demonstraria importante para a Honda, tanto no aspecto esportivo como no relacionado aos produtos de venda ao público.

Os motores Honda V4 serão tema do 2º capítulo desta série, divulgada pela marca.

12 visualizações0 comentário

Receba nossas atualizações

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube

© 2020 MOTO PREMIUM.