top of page
  • Moto Premium

Indústria de Motocicletas Cresce 18,7% e Registra o Melhor Resultado em Oito Anos

Em novembro, mais de 129 mil unidades saíram das linhas de montagem do Polo de Manaus


A indústria de motocicletas registrou aumento de 18,7% no acumulado do ano. Segundo levantamento da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo, de janeiro a novembro, foram fabricadas 1.328.105 unidades. No mesmo período do ano passado, 1.118.790 motocicletas saíram das linhas de montagem do PIM (Polo Industrial de Manaus). Ainda de acordo com dados da associação, esse é o melhor resultado para os onze primeiros meses do ano desde 2014, quando foram produzidas 1.432.842 motocicletas.


O presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian, afirma que o volume de produção está dentro do planejado e que a expectativa de fabricar 1.420.000 motocicletas deverá ser atingida. “Depois de um primeiro bimestre conturbado devido aos casos da variante Ômicron, as unidades fabris retomaram o ritmo das linhas de montagem e a produção vem subindo para atender à demanda do mercado”, enfatiza.


Em novembro, as fabricantes do Polo de Manaus produziram 129.216 motocicletas. O volume é 13,6% superior ao registrado no mesmo mês do ano passado (113.776 unidades) e 5,9% menor na comparação com outubro (137.346 motocicletas). Segundo dados da Abraciclo, esse é o melhor resultado para o mês em nove anos. Em 2013 foram fabricadas 156.044 unidades.


Fermanian acredita que o segmento de motocicletas deva continuar aquecido. “Depois dos resultados positivos e do crescimento do segmento este ano, acreditamos que a procura pela motocicleta deverá seguir em alta em 2023”, analisa. “Muitos brasileiros encontram no modal um veículo ágil, de custo de manutenção mais em conta e com maior facilidade de aquisição”, completa.


Vendas no varejo


No acumulado do ano foram emplacadas 1.229.737 unidades, aumento de 17,7% na comparação com o mesmo período do ano passado (1.044.413 motocicletas). Assim como a produção, foi o melhor resultado desde 2014 (1.301.981 unidades).


Os licenciamentos totalizaram 123.214 unidades em novembro. O volume é 15,8% superior às 106.442 motocicletas emplacadas no mesmo mês do ano passado e 2,4% maior que o registrado em outubro (120.273 unidades). De acordo com levantamento da associação, esse é o melhor resultado para o mês desde 2011, quando foram licenciadas 166.640 motocicletas.


Com 64.557 unidades e 52,4% de participação no mercado, a Street liderou o ranking das categorias mais licenciadas. Em segundo lugar, ficou a Trail (23.312 motocicletas e 18,9% do mercado), seguida pela Motoneta (18.566 unidades e 15,1%).


Veja como ficou o ranking mensal por categoria:



A média diária de vendas em novembro, que teve 20 dias úteis, foi de 6.161 unidades. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, com um dia útil a menos, a alta foi de 10% (5.602 emplacamentos/dia). Já em relação a outubro, com o mesmo número de dias úteis, houve crescimento de 2,4% (6.014 unidades licenciadas/dia).


Muito utilizadas nos serviços de entrega e nos deslocamentos urbanos, as motocicletas de baixa cilindrada (até 160 cilindradas) chegaram a 101.668 unidades licenciadas, o que corresponde a 82,5% dos emplacamentos. Os modelos de 161 a 449 cilindradas tiveram 17.864 unidades licenciadas (14,5% do mercado), enquanto as motocicletas acima de 450 cilindradas registraram 3.682 emplacamentos (3%).


De acordo com o presidente da Abraciclo, a fila de espera pelos modelos de baixa cilindrada e pelas scooters ainda deverá se estender pelos próximos meses. “Isso ainda é reflexo do primeiro bimestre, quando cerca de 100 mil motocicletas deixaram de ser produzidas. Além disso, em dezembro, teremos as férias coletivas quando as fábricas aproveitam para realizar as manutenções e os ajustes necessários em suas linhas de montagem”, explica.


Mercado por região


A região Norte foi a que registrou o maior crescimento porcentual no volume de licenciamentos no acumulado do ano. De janeiro a novembro, foram emplacadas 153.991 motocicletas, o que representa um aumento de 34,8% na comparação com o mesmo período do ano passado (114.214 unidades).


Em números absolutos, a liderança é do Sudeste com 474.018 motocicletas licenciadas e 38,5% de participação do mercado. Na sequência do ranking, ficaram o Nordeste (364.480 unidades e 29,6% do mercado), Norte (153.991 motocicletas e 12,5%), Sul (119.556 unidades e 9,7%) e Centro-Oeste (117.692 motocicletas e 9,6%).


No levantamento mensal, os estados da região Norte também registraram a maior elevação no número de emplacamentos. No total, foram licenciadas 17.273 motocicletas, volume 37,8% superior ao registrado em novembro do ano passado (12.533 unidades).


Já em números absolutos, os três primeiros lugares do ranking anual foram mantidos: Sudeste (45.203 motocicletas e 36,7% de participação do mercado), Nordeste (37.758 unidades e 30,6%) e Norte (17.273 motocicletas e 14%). O Centro-Oeste ficou em quarto lugar (11.521 unidades e 9,4%), seguido bem de perto pelo Sul (11.459 motocicletas e 9,3%).



Exportações


De janeiro a novembro, as associadas da Abraciclo exportaram 51.412 motocicletas, alta de 2,4% na comparação com o mesmo período do ano passado (50.193 unidades).


A Colômbia foi o principal destino. Segundo levantamento do portal de estatísticas de comércio exterior Comex Stat, que registra os embarques totais de cada mês, analisados pela Abraciclo, o país vizinho recebeu 14.854 unidades, o que representa 29% do volume total exportado. Em segundo lugar, ficou a Argentina (12.098 motocicletas e 23,6% das exportações), seguida pelos Estados Unidos (10.973 unidades e 21,4%).


Em novembro, as exportações totalizaram 3.695 unidades. O volume é 13,8% superior às 3.246 motocicletas embarcadas no mesmo mês do ano passado e 8,7% menor ao registrado em outubro (4.047 unidades).


Ainda de acordo com dados do Comex Stat, analisados pela Abraciclo, a Colômbia representou o principal destino, com 1.346 unidades e 43,5% das exportações. O segundo lugar do ranking ficou com os Estados Unidos (774 motocicletas e 25% do total exportado) e em terceiro, a Argentina (400 unidades e 12,9%).


Frases – Marcos Fermanian. Presidente da Abraciclo

“De janeiro a novembro foram fabricadas 1.328.105 motocicletas. Esse é o melhor resultado para os onze primeiros meses do ano desde 2014, quando foram produzidas 1.432.842 motocicletas. As unidades fabris trabalham dentro do que foi planejado e a expectativa de fabricar 1.420.000 motocicletas deverá ser atingida”.


“Depois dos resultados positivos e do crescimento do segmento este ano, acreditamos que a procura pela motocicleta deverá seguir em alta em 2023. Muitos brasileiros encontram no modal um veículo ágil, de custo de manutenção mais em conta e com maior facilidade de aquisição”.


“A fila de espera pelos modelos de baixa cilindrada e pelas scooters ainda deverá se estender pelos próximos meses. Isso ainda é reflexo do primeiro bimestre, quando cerca de 100 mil motocicletas deixaram de ser produzidas. Além disso, em dezembro, teremos as férias coletivas quando as fábricas aproveitam para realizar as manutenções e os ajustes necessários em suas linhas de montagem”.

bottom of page