• Moto Premium

BMW R18

Lançada há cerca de dois anos na Europa, a cruiser/touring R18 chega finalmente ao Brasil para desafiar as Harley-Davidson


Uma alemã que adota os cânones do motociclismo à norte-americana

A BMW Motorrad coloca à venda no Brasil a sua imensa –e espetacular– cruiser, a R 18, lançada em 2020 na Alemanha. O preço da R 18 ainda não havia sido definido até o fechamento desta edição, mas você pode conferi-lo no site motopremium.net.

O visual é maravilhoso, essencial, purista e despojado, inspirador de músculos e potência, aquela coisa de testosterona e couro preto que os motociclistas norte-americanos adoram. Não exagera no plástico, reforçando componentes metálicos, couro etc. Ao mesmo tempo evoca as tradições da marca, remetendo ao belíssimo e histórico modelo R 32 de 1923, revolucionário à época. A R 32 foi a primeira moto a ostentar a sigla BMW.

Na versão Classic, mais cromados, inclusive nas capas e tampas do motor

O projeto da R18 gira em torno do motor boxer refrigerado a ar e óleo (são 1.802 cc em dois cilindros contrapostos com virabrequim longitudinal), o maior já produzido pela marca da hélice. Esse flat twin entrega 91 cv a 4.750 rpm e um portentoso torque de 16,1 kgf.m a 3.000 giros. O ronco é lento, compassado e grave, emitido pelos cilindros através dos dois enormes escapes cromados (um sistema completo de cada lado) e entrega um empuxo vigoroso desde as mais baixas rotações. A partir de 2.000 giros já são entregues cerca de 15 kgf.m de torque. Brutal!

Cardã exposto é homenagem à R 32 de 1923

O eixo cardã exposto faz parte da homenagem à R 32 e é um encanto a mais para os puristas da boa mecânica. A balança é bilateral, ao contrário das demais BMW de cardã, que aplicam monobraço.

A suspensão traseira simula o visual de uma antiga rabo-duro, as motos de traseira rígida que tinham molas apenas na frente e no selim. Tem regulagem de pré-carga da mola e 90 mm de curso. O garfo dianteiro de 120 mm de curso e 49 mm de diâmetro é convencional, lembrando outro modelo histórico da marca, o R5, pelas coberturas metálicas nas bengalas. O quadro de berço duplo, tubular em aço, também é reminiscência desse modelo lançado em 1936.



SEM BADULAQUES

A moto tem tão somente aquela eletrônica embarcada engajada no desempenho e segurança, e dispensa qualquer bugiganga dispensável: a ideia é ser essencial, purista.

O sistema de freios inclui dois discos dianteiros flutuantes e um traseiro, todos com pinças de 4 pistões. As rodas são de alumínio, combinando preto e polido.

A R 18 oferece três modos de pilotagem: Rain, Roll e Rock (legal a ideia de rock and roll!). Em termos de entrega de performance, algo como “chuva”, “estrada” e “esporte”.



A eletrônica inclui controle de estabilidade comutável, controle de entrega de torque e, até por força de lei brasileira, ABS de dois canais. Dois acessórios são muito úteis: o assistente de partida em subidas, ótimo em motos pesadas; e a marcha a ré elétrica.

A BMW oferece uma longa lista de equipamentos opcionais para a personalização do modelo, outra exigência do público desse tipo de moto, e a R18 já vem com conexões nos sistemas hidráulicos de comando para facilitar a instalação de guidão mais alto.


A R18 visa o público brasileiro de cruiser/custom

A R18 visa o público brasileiro de cruiser/custom, usuário de Harley-Davidson, com quem a BMW R 18 concorre diretamente, em suas duas versões, Classic, uma estradeira touring, e Standard, que tem uma pegada mais street fighter.