• Moto Premium

Canonball - a corrida maluca

Por: Ricardo Couto

A corrida maluca - Motos antigas cruzam os Estados Unidos de costa a costa na mais longa prova de resistência daquele país

O Cannonball lembra aquelas corridas malucas dos desenhos animados. Só que em vez de carros engraçados, a disputa envolve apenas motos antigas, algumas delas bem exóticas. O que conta nessa competição não é a velocidade, mas a quilometragem acumulada, assim como a ousadia e coragem de seus pilotos. Considerada um dos raides clássicos de regularidade mais longos do mundo, a prova é um verdadeiro teste de resistência para os participantes e suas sempre bem rodadas máquinas.



Reunindo motos desgastadas pelo tempo e outras bastante raras (itens de coleção), o Cannonball tem como desafio cruzar os Estados Unidos de costa a costa. Seu nome é uma homenagem a Erwin George Baker (ver perfil a seguir), corredor do início do século passado que ficou conhecido como Cannon Ball (bala de canhão), ao estabelecer em 1914 o recorde de travessia do país de moto em 11 dias.

Esta é a terceira edição desta curiosa competição americana, que acontece a cada dois anos: o primeiro evento (2010) incluiu modelos até 1916. O segundo (2012), até 1929. O deste ano, até 1936 (inclusive). São pouquíssimas pessoas que têm o privilégio de participar dessa aventura.

A largada ocorreu em 5 de setembro em Daytona Beach, na Flórida, e a chegada aconteceu em Tacoma, no Estado de Washington, no dia 21 de setembro. Os participantes percorreram 3.938 milhas (cerca de 6.340 quilômetros), divididos em quatro categorias: para modelos até 700 cc, de 701 cc a 1.000 cc, acima de 1.000 cc e Tour (turismo, para quem faz o percurso sem se preocupar em marcar pontuação). Foram 17 dias de corrida, sendo 16 na estrada e um livre, em Junction City, no Kansas. A cada dia os competidores pegavam a estrada às 8h e só paravam para descansar às 16h.



As motos saíram da Flórida e atravessaram os Estados da Georgia, Alabama, Tennessee, Kentucky –onde cruzaram o rio Mississipi–, Missouri, Kansas, Colorado, Utah, Nevada, Idaho e receberam a bandeirada em Washington.

Ao todo, foram cumpridas 16 etapas, variando de 140 milhas (225 km) a 311 milhas (500 km) cada, conforme o trecho. O trajeto foi feito em grande parte em estradas planas e retas, com velocidade de cruzeiro de 50 milhas por hora (cerca de 80 km/h).

Este ano, o raide teve cerca de 100 inscritos, com muitos competidores trajando capacetes ou vestimentas de época.

Apesar de desafiador, o Cannonball é uma competição que mistura várias tribos e onde impera a solidariedade e a descontração. Além de passar por regiões típicas de roteiros turísticos, durante o percurso os inscritos participam de eventos de confraternização, em clima de diversão.

Durante o trajeto, os participantes visitaram cinco museus de motos, como o Coker Tire Museum, em Chattanooga, no Tennessee; Cyclemos Motorcycle Museum, em Red Boiling Spring, no Tennessee; Rocky Mountain Motorcycle Museum, em Colorado Springs, no Colorado; Legends Motorcycle Museum, em Springville, em Utah, e LeMay Museum, em Tacoma, em Washington.

Como aconteceu em 2012, a edição de 2014 contou com a participação do brasileiro Chrystiano Miranda, especialista em motos Harley-Davidson e chefe de equipe de mecânicos (veja na pág. ao lado). Ele viajou para os Estados Unidos em agosto para acompanhar a inscrição, participar dos preparativos e da vistoria das motos. “Sou o único da América Latina a participar do Cannonball. Não há outros brasileiros na prova. É uma competição 100% americana. A primeira vez em que fui era mecânico de uma equipe. Agora sou chefe de equipe”, afirma.

A cada ano, o Cannonball segue roteiro diferente, chegando a até 5 mil milhas no total. Este ano, os pilotos saíram de Daytona Beach, na Flórida, e foram até Tacoma, em Washington, próximo a Seattle. No evento de 2012, o percurso foi de Nova York até São Francisco. Em 2010, de Kitty Hawk, na Carolina do Norte, a Santa Mônica, na Califórnia.

O Cannonball é uma prova bastante seletiva, onde prevalece a originalidade das máquinas –só podem competir motos clássicas e raras. Algumas delas chegam a custar até 250 mil reais. “Para andar num percurso tão longo com um veículo desses, a moto tem que estar impecável. Uma equipe faz uma vistoria antes da corrida. Se não passar pela inspeção nem corre”, explica Miranda.

Segundo o regulamento da competição, o motor deve ser original de época. As demais partes, como chassi e suspensões, podem até ter passado por algum tipo de restauração, mas devem seguir fielmente as características de fábrica. As únicas alterações permitidas são na iluminação, ignição e freios, e outros pequenos itens, com o objetivo de melhorar a segurança dos pilotos.



Brasileiro na retaguarda

Participando pela segunda vez do Cannonball, o brasileiro Chrystiano Miranda provou o

gosto da vitória. Sua equipe, a Team Vino, pertencente a Dean Bordigioni, proprietário de uma vinícola na Califórnia, faturou o primeiro e terceiro lugares da categoria intermediária, para motos de média cilindrada. Além de Bordigioni, o time de pilotos contou com Scott Jacobs, o artista mais famoso da atualidade quando se fala de Harley-Davidson, Sharon Jacobs, esposa de Scott, e Robert “Big Sweed ”.

O Team Vino foi representado por quatro motos, todas Harley-Davidson: os modelos JS de 1923 (número 11), J de 1926 (número 93), VL 1931 (número 76) e VL 1936 (número 81).

“Nesta edição estávamos focados na corrida porque sabíamos que teríamos chance de estar entre os Top 10. O roteiro foi longo, mas bem interessante também. As motos sofreram por causa da temperatura nesta época do ano. No começo, enfrentaram muito calor e umidade. Tivemos que regular a carburação praticamente todos os dias. Após o final da prova tivemos uma das motos roubadas. Ela estava num caminhão que também foi levado, mas foi recuperada”, conta Miranda.


A equipe do brasileiro ficou com a primeira colocação na categoria II (ou B), para modelos de 701 cc a 1.000 cc, com a Harley-Davidson JS 1923 pilotada por Dean Bordigioni, motocicleta que terminou na quinta posição na classificação geral. Outra moto da equipe, uma Harley-Davidson J 1926, pilotada por Scott Jacobs, faturou o terceiro lugar na mesma categoria e foi a sétima na classificação geral.

A vencedora da categoria III (C), acima de 1.000 cc, foi a moto Henderson Z 1919 (número 5), pilotada por Jeff Tiernan.

O troféu do Cannonball 2014 ficou com a moto Indian Scout 1924, de Hans Coertse (número 35), primeira colocada na categoria I (A), até 700 cc, e também a primeira no resultado geral.

Como várias motos somaram a mesma quilometragem, o desempate foi feito com base no modelo mais antigo e no piloto mais velho. O próximo Cannonball ainda não tem percurso definido, mas já está marcado para 2016.

O SR. "Bala de canhão"

O raide Cannonball (escreve-se tudo junto, como no nome oficial) foi inspirado no feito do piloto norte-americano Erwin George Baker, que começou a sua carreira em 1904, após vencer uma corrida em pista de terra em Crawfordsville, Indiana. Seu nome entrou para a história em 1914, ao cruzar os Estados Unidos de costa a costa com uma motocicleta Indian V-Twin da época, de apenas 7 cv de potência.

Ele completou a travessia em 11 dias e 11 horas, cortando pela metade as marcas anteriores registradas por uma moto (de três semanas ou cerca de 20 dias) e por um carro (mais de duas semanas). Baker foi quatro dias mais rápido que um veículo de quatro rodas jamais havia sido.


Devido à grande repercussão desse recorde, um jornal da época estampou em manchete de primeira página que ele era mais rápido que o trem Cannonball Express (uma referência a cannon ball, ou bala de canhão, devido à sua elevada velocidade) e o nome pegou. Até hoje o histórico piloto é conhecido nos Estados Unidos como Erwin “Cannon Ball” Baker.

Relatos da época dão conta que Baker partiu para a aventura apenas com um cantil cheio de água e alguns dólares no bolso. A história diz que ele parou poucas horas para descansar e contou com o apoio e a bondade de estranhos, que lhe deram comida e abrigo ao longo do caminho.

Com essa marca, Baker não só provou a viabilidade como a resistência da motocicleta como meio de transporte, como alertou para a precariedade e a necessidade de melhoria nas estradas norte-americanas do início do século passado.

Baker, que também foi piloto oficial da Indian e de carros, iria cruzar os Estados Unidos dezenas de vezes em sua carreira, com vários tipos de motos e automóveis. Na década de 1930, conta-se, com uma moto de corrida, ele conseguiu estabelecer o recorde de três dias para o mesmo percurso –marca que permaneceria intacta até o início dos anos 1970. Ao todo, ele fez inacreditáveis 143 travessias, acumulando um total de 550 mil milhas (885 mil km) no trajeto.

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Receba nossas atualizações

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube

© 2020 MOTO PREMIUM.